Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Manifesto da Garota

"Desabafos resultados de fraquezas", música, politiquices, opiniões gratuitas e posts sem conteúdo. Acima de tudo, vida, muita vida!

O Manifesto da Garota

"Desabafos resultados de fraquezas", música, politiquices, opiniões gratuitas e posts sem conteúdo. Acima de tudo, vida, muita vida!

Sou bipolar.

De manhã estava. Estava só. Nem bem nem mal. Estava. Tipo piloto automático. Acordei, levantei-me, comi, Zé, comida do Zé, água do Zé, lavar a cara, escovar o cabelo, escovar os dentes, sair, café, autocarro, sair. Isto. Só assim. Agora há uma luz no peito e só me apetece gostar de coisas. Gosto de gostar e isso não é necessariamente bom. Gosto. E, se não fosse o meu gosto pelas letras, este post estúpido resumia-se a isto:

 

 

Gosto, gosto, gosto.

Dear Santa,

Ter uma casa só minha é uma despesa que eu sei lá. Não quero nada para mim, propriamente dito. Mas apetecem-me uns livros para encher o meu "altar de Santo António" (um dia explico) e umas imagens fofinhas para espetar lá na parede. Para que a minha casa de bonecas fique perfeita.

Um desejo para 2013

Que os homens desta vida comecem a usar as calças no sítio delas. Não há nada que me faça perder o interesse mais depressa do que ver um gostosão a andar de perna aberta com as calças quase no joelho. Amigos, eu gosto de apreciar um rabo jeitoso quando quero. Não acho grande piada quando sou obrigada a ver. Ahh, devia a cara para o lado. Really? Uma mulher aparece com as mamas quase à mostra e vocês desviam a cara para o lado? Não. Mas namoravam ou casavam com ela? Provavelmente não, também, né?

 

Vá, sejai homenzinhos e mantenham o mistério. É muito mais giro quando avaliamos disfarçadamente.

E entramos na recta final!

Estamos em Dezembro. Estamos no mês do Natal, no mês dos meus anos, no mês de olhar este 2012 em retrospectiva.
Em 2013 vou fazer uma coisa engraçada, que li algures no Facebook. Vou arranjar um frasco grande, e vou pondo lá dentro papeis onde escrevo o que de bom vai acontecendo, as coisas que quero recordar. Depois, é chegar a esta altura do próximo ano e agarrar-me às coisas que me permitiram sorrir.
Até lá, December, please be nice, I am your daughter!

...

Seremos nós capazes de não criar expectativas? De viver sem esperar nada, sem ansiar nada? Seremos nós capazes de controlar a nossa vontade de querer mais, de querer alguma coisa? Tento todos os dias não esperar nada, não querer nada. Tento não pensar no que quero, nos meus desejos mais profundos. Tento viver um dia de cada vez. Tento acompanhar a velha máxima do o que tiver que ser será, cada coisa a seu tempo. Tento, e tento e volto a tentar e falho sempre. Acabo frustrada e chateada. Acabo com vontade de mandar toda a gente para um certo sítio.

 

É possível ser assim? Desprendido e desligado das emoções e quereres? É possível acordar de manhã e ser absolutamente feliz sabendo que queremos mais isto ou aquilo?

Pág. 10/10