Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Manifesto da Garota

"Desabafos resultados de fraquezas", música, politiquices, opiniões gratuitas e posts sem conteúdo. Acima de tudo, vida, muita vida!

O Manifesto da Garota

"Desabafos resultados de fraquezas", música, politiquices, opiniões gratuitas e posts sem conteúdo. Acima de tudo, vida, muita vida!

Do crescimento pessoal #

Finalmente os meus amigos enviaram-me as fotos que lhes pedi. Aquando do pedido, perguntaram "Mas queres todas? Inclusivé as que têm o falecido?" E eu respondi que sim. Ele fez parte da minha vida. Não há motivo para o negar. E hoje vieram as fotos, que eu não tinha e delas que nem conhecia a existência. Estou farta de me rir. A primeira de todas as fotos que vi é minha e do Falecido, em pleno auge de amor e felicidade. E soube-me bem recordar. Já não magoa, nem apoquenta. Não seria o que sou hoje se ele não tivesse aparecido na minha vida, e não teria o que tenho hoje se continuássemos juntos. Isso é a única certeza que tenho.

 

E, onde quer que ele esteja, agradeço-lhe sinceramente as coisas boas que me trouxe, o amor que me deu, e espero que ele seja feliz.

O desafio da Vita C:

A Vita C indicou a minha pessoa para responder à seguinte questão: Qual o livro que indicaria para alguém começar a ler? Não é uma pergunta fácil. O primeiro livro tem que ser simples, mas também tem que ter o factor "viciante" para que se queira sempre mais e mais e mais. Portanto, nada melhor do que sugirir um dos meus primeiros livros, uma vez que sou altamente viciada em leituras. Assim, as minhas sugestões são:
1- A Lua de Joana;
2- O Diário de Anne Frank;
3- O Diário de Adrian Mole aos 13 anos e 3/4.
São livros de leitura fácil, corrida, e extremamente interessantes. Juvenis, sim. Se fosse aconselhar algo para um pessoa da minha idade, seria A vida de Pi.

(Está visto, não me façam escolher um, que eu não consigo. Passei três dias a pensar nisto!)
Está na altura das regras do desafio:
1 - Indicar 10 Blogs para receberem o Selo (é proibido apenas deixar para quem quiser pegar sem indicar 10 blogs)
Tal como a Vita, não vou chatear 10 blogs! Lamento! ahahah, portanto:
2 - Avisar os Blogs Escolhidos
3 - Colocar a Imagem no Blog para apoiar a Campanha
4 - Responder à pergunta: Qual Livro Indicaria Para alguém Começar a Ler?

Os medicamentos.

Como não havia meio da dor de costas abrandar, uma colega de trabalho ofereceu-me uns comprimidinhos. Deu-me a escolher entre voltaren ou outro efervescente. Ora eu, gaja prática, escolhi o efervescente porque, à partida, o efeito seria mais rápido. Vai de pôr aquilo no copinho, com água, e aquilo vá de ficar cor de laranja, com um ligeiro aroma a laranja. Mas sabia tão mal, mas tão mal, que tive que beber por três vezes e de narizinho tapado!

 

Esperemos que funcione, ou não conseguirei pegar no carro.

Das maleitas.

Hoje estou com uma dor nas costas que não me aguento. Mesmo ao fundo, na zona dos rins. Não sei porquê, mas dói para caraças e não tenho posição confortável na cadeira do estaminé. Nem em pé. Nem sentada. Nem para esquerda nem para a direita. Dói. E não me consigo concentrar com esta dor estúpida. E só de pensar que ao fim do dia tenho que pegar no carro e ir para a santa terrinha até tenho arrepios na espinha.

Se o mundo acabar hoje:

Voltámos a falar. Somos amigos. Aconteceu de forma natural, sem conversas sérias, sem bate-bocas, sem nada. Não interessa sequer como é que aconteceu, verdade se diga. Mas voltámos a falar e a rir, como antigamente. E, se o mundo acabar hoje, ao menos, vou de coração cheio. E com a certeza de que quando duas pessoas são importantes uma para a outra, mais cedo ou mais tarde, o universo encaixa as pecinhas no sítio delas. Devagar, e quando menos se espera.

 

As nossas peças estão a voltar ao sítio, e dificilmente alguém me arrancará o sorriso do rosto. 

Vamos falar de coisas sérias: IMPOSTOS 2013

Sendo que o nosso Mui Ilustre Presidente da República não enviou o Orçamento de(t) Estado para o tribunal Constitucional, para que este averiguasse à priori, da sua conformidade com a constituição, é bom que nos habituemos a uma coisinha: Para o ano que vem, a carga fiscal vai ser absolutamente absurda.

 

Primeiro, temos a diminuição do número de escalões de Oito para Cinco:

 

Daqui resultará, para muitas famílias, o aumento do escalão de IRS, o que equivale a um aumento de tributação sem que haja aumento dos rendimentos. Portanto, recebemos o mesmo, pagamos mais. 

 

A esta diminuição dos escalões acresce a sobretaxa de 3,5%, que incidirá sobre o rendimento colectável que resulte do englobamento de rendimentos previsto no artigo 22.º do Código do IRS, que exceda o valor anual da retribuição mínima mensal garantida (disposto no artigo 187.º do Decreto n.º 100/XII da Assembleia da República, que aguarda promulgação).

 

Na prática, e partindo de uma hipótese MERAMENTE ACADÉMICA, que vale o que vale, vamos imaginar um sujeito que recebe 2000€ por mês (para dar conta certa). Ora nos termos do artigo 22.º do CIRS, a determinação de rendimentos colectáveis faz-se através da "soma" de todos os rendimentos auferidos num ano, aplicando-se depois as deduções previstas.

 

Portanto, este senhor só recebe o ordenado. Com subsídios e tudo, rendimentos da Categoria A (Trabalho dependente). Assim:

 

2.000 x 14 = 28.000€/ano

 

A estes 28.000 euros deverão deduzir-se, de imediato, 72% de doze vezes o valor do Indexante de Apoios Sociais (IAS), fixado há não sei quantos anos em 419,22€. Portanto:

 

12 x 419,22 = 5030.64

 

A que subtraímos 28% = 3622,06

 

Logo: 

 

28.000 - 3622,06 = 24.377,94

 

Mas, como eu acima disse, e como dispõe o artigo que prevê a sobretaxa, esta só incide sobre os rendimentos que excedam o valr anual do Rendimento Mensal Mínimo Garantido, que é como quem dis, do Salário Minímo Nacional. Assim, temos que apurar esse valor = 6790€. Assim, o valor sobre o qual incidirá a sobretaxa é o resultante da subtracção destes 6790€ aos 24.377,94€ ali em cima apurados:

 

23.698,94€

 

Agora, é simples. Retirar 3.5%, que dá uma módica quantia de cerca de 830€. 

Esta sobretaxa será aplicada da mesma forma, mas mensalmente, através de retenção na fonte, como prevê o mesmo artigo 187.º. Porquê? Ora, pretende aligeirar-se o seu impacto no orçamento familiar dos Portugueses. Disfarçá-lo, até, com a história do pagamento dos subsídios em duodécimos. O que a mim me preocupa é que o valor que resultará da divisão de um subsídio em doze meses não cobrirá o impacto causado pelos impostos, e talvez aí as pessoas se apercebam do grande roubo que está a ser planeado.


Não vai ser um ano fácil. De todo. Os salários reais vão diminuir, os preços vão aumentar e cada vez mais os Portugueses vão perder poder de compra. Até tenho medo, acreditam?

Fica a informação. Têm aqui um excelente simulador de IRS, que faz a comparação entre o IRS deste ano e o de 2013. Experimentem, é o primeiro link.