Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Manifesto da Garota

"Desabafos resultados de fraquezas", música, politiquices, opiniões gratuitas e posts sem conteúdo. Acima de tudo, vida, muita vida!

O Manifesto da Garota

"Desabafos resultados de fraquezas", música, politiquices, opiniões gratuitas e posts sem conteúdo. Acima de tudo, vida, muita vida!

O fim do ano.

Estamos a dia 19 de Dezembro. Caramba, pa, não dei por ele passar. Sinto que não houve nada de relevante e tenho demasiadas memórias tristes. Mais do que memórias boas. "Oh J.B., mas já tens a tua casa! E o Zé!", pois, é verdade. E tenho trabalho, e saúde. Mas parece mesmo que não se passou nada de espetacular, que eu relembre e associe imediatamente a um ano bom.

 

E o final do ano também não parece melhor. Pois que tive que desmarcar as minhas férias, que íam começar na próxima semana e se prolongavam até ao início do ano que vem. E ia para casa da senhora mãe, passava lá essa temporada, o que equivale ao aniversário dela, ao natal, ao meu aniversário e à Passagem de Ano. Não vou a casa há dois meses. Consequentemente, não vejo a famelga há dois meses e os amigos, idem. Tenho saudades deles.

 

Piora quando se faz anos no último dia do ano e a tradição manda almoçar com a família e jantar e passar o ano com os amigos. Até já recebi uma mensagem a questionar "Oh gaja! E como é que vamos passar o ano sem ti?". Pergunto-me o mesmo.

 

Se houve coisa em que este ano foi perito, foi em novas experiências, e passar o ano longe daqueles que me têm acompanhado desde sempre (já nem me lembro há quantos anos...) será mais uma. Não vai ser fácil, acima de tudo, será estranho e diferente. De qualquer maneira, os meus amigos estão sempre comigo, sempre no meu pensamento, e irei sentir a falta deles.

Sobre as greves do metro e da CP e essas coisas.

Amanhã há greve do Metro. Uma greve parcial, entre as 6.30 e as 10.30 da manhã, pelo que, lá pelas 11, 11 e qualquer coisa, já o serviço deve estar a 100%.

 

Dizem-me que todos os direitos têm limites, que já é um abuso, que foi um ano marcado por greves no metro e na CP, beca beca beca. De facto, é verdade. Eu não posso desdizer, argumentar. Não posso. Não posso, também, dizer que já estão a abusar. Então sou respostas estúpidas às pessoas. 

 

Não sei ao certo quais as reivindicações, qual o motivo da greve, como é que estão a decorrer as negociações ou se elas sequer existem. Não sei quais são as condições de trabalho ou falta delas. Mas sei que defendo o direito à greve e à luta pelas condições de trabalho dignas e na defesa dos direitos dos trabalhadores. E é na óptica de defesa destes direitos, através das mais variadas acções e formas de luta, que me mexo, todos os dias, quer no trabalho, quer na vida pessoal.

 

Se, enquanto cidadã, acho exagerado e que já ultrapassa os limites do razoável? Não sei. Sei que causa grandes transtornos aos utilizadores dos serviços, que pagam passes caríssimos e depois não têm serviço ou têm serviços condicionados. Mas, também sei que as greves pretendem isso mesmo, causar transtornos, parar produções, causar mau-estar nas entidades empregadoras.

 

Quanto ao resto, a Greve é um direito, e cada um se serve deve servir dele na medida do necessário para fazer valer as suas posições.

My cousins rule!

"You're a rack. You're emotionally a rack. You're completly destroied by previous things and averything's falling! And you don't know how to deal with it. So, your head kicks in and you desperatly try to quit believing. And you try, you really do. You set your mind on than and, at that point, he just starts apearing everywhere! And you see that as a sign! Who wouldn't? Who would be the person who's in love and wouldn't see that as a sign? So, then, you're heart kicks your brains ass and takes over. And you keep believing, knowing that it will eventually end. So, i'm here ok? I'm here for you, lil cousin!"