Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Manifesto da Garota

"Desabafos resultados de fraquezas", música, politiquices, opiniões gratuitas e posts sem conteúdo. Acima de tudo, vida, muita vida!

O Manifesto da Garota

"Desabafos resultados de fraquezas", música, politiquices, opiniões gratuitas e posts sem conteúdo. Acima de tudo, vida, muita vida!

Na minha mesa de cabeceira.

Tenho tido muito tempo para ler, é verdade. Ainda assim, não tenho lido tanto quanto gostasse. No final do ano passado, antes de entrer de "férias", os meus amigos fizeram-me uma surpresa, no Festival das Francesinas, na FIL.

 

Nesse dia ofereceram-me uma edição de um livro que eu já li, há muitos muitos anos, e que agora releio, com outros olhos.

 

Esta edição ilustrada pelo Rogério Ribeiro, com prefácio de Óscar Lopes é a minha nova relíquia. Quando li, pela primeira vez, o "Até amanhã, Camaradas" pouco sabia da coisa. Era para mim mais uma história, sobre o partido do meu avô e os camaradas dele. Devia ter uns 11 ou 12 anos. Apanhei-o e devorava-o à noite. Sabia apenas que o autor, o Manuel Tiago, era a fingir, e que quem o tinha escrito era o senhor das sobrancelhas farfalhudas e brancas, que eu vira umas vezes em sítios com muita gente, a falar ao microfone. As pessoas chamavam-lhe o Camarada Álvaro e eu sabia apenas que ele era uma pessoa importante.
Hoje, 14 ou 15 anos depois dessa primeira abordagem, folheio o livro que marca a história de um partido, sobre a sua actividade na clandestinidade e que, não deixado de ser um conto (um dos mais belos), é o testemunho escrito de uma realidade que não está assim tão distante. 
O Álvaro era um homem singular e culto, de escrita térrea e fácil. Sim, é fácil perder-me horas com este amigo, que, talvez pela "proximidade" do seu tema, me faz sorrir, e tremer, e temer. Me deixa os olhos rasos de lágrimas, e a pensar, muito seriamente, que não quero voltar ao antigamente.
Este é o meu livro de cabeceira, e acredito que por lá ficará para que, sempre que me apetecer folheá-lo, me esteja perto.
"Maria agarrou a mão do camarada.
- A tua família?
- Família? A minha família é o Partido, és tu, são os camaradas. Não tenho outra família"

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.